Observação de aves na Serra da Canastra

Material em preparação.

Ema

(Rhea americana)
Greater Rhea

A Ema vive em grupos, mas o macho pode peramular solitário. Habita áreas campestres naturais, savanas e plantações. Evita áreas com grande movimento de pessoas. Alimenta-se de brotos de plantas sementes, folhas, frutos, insetos, moluscos e pequenos vertebrados. Ingere pequenas pedras para ajudar na trituração do alimento. Constrói o ninho no chão, em uma depressão rasa, forrada com gramíneas. O macho pisoteia toda vegetação no entorno do ninho, possivelmente para evitar que eventuais queimadas afetem os ovos ou os filhotes. Pode chocar muitos ovos.

Foto: Fabio Rage
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Surucuá-variado

(Trogon surrucura)
Surucua Trogon

O Surucuá vive solitário ou aos casais. Habita o interior de matas do Cerrado e de florestas, mas frequenta as bordas e clareiras. Alimenta-se principalmente de frutos e artrópodes. Ingerem até mesmo lagartas peludas e urticantes de borboletas. Constrói seu ninho no interior de um túnel escavado em cupinzeiros arborícolas. Põe de dois a quatro ovos.

Foto: Arquivo da Pousada Barcelos
Texto do "Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio".

Pato Mergulhão

(Mergus octosetaceus)
Brazilian Merganser

O Pato Mergulhão vive aos casais, habita rios e riachos com corredeiras de águas límpidas, circundados por mata ciliar preservada, onde o casal exerce sua territorialidade, São arredios e muito exigentes com relação à qualidade da água. Alimenta-se principalmente de peixes. A água límpida facilita o processo de captura. Nidifica em ocos de árvores, fendas em rochas ou buracos em barrancos às margens de cursos d´água. O ninho é forrado com penas. Quando a fêmea deixa o ninho momentaneamente, também cobre os ovos com penas. Põe até oito ovos.

Foto: José Maria.
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Perdiz

(Rhynchotus rufescens)
Red-winged Tinamou

A Perdiz vive solitária. Habita áreas campestres naturais, savanas e plantações. Alimenta-se de insetos, raízes e tubérculos de plantas. Eventualmente, come pequenos roedores, lagartixas e serpentes. Também ingere pequenas pedras para ajudar na trituração do alimento. Para construir o ninho, escava um buraco raso no solo, sob sombra da macega, junto às moitas de gramíneas. Forra a depressão com material vegetal seco. Assim como a ema (Rhea americana), apenas o macho da espécie incuba os ovos e cuida dos filhotes. As fêmeas podem formar ninhadas com mais de um macho. Os ninhos abrigam de três a nove ovos bastante característicos, de cor chocolate.

Foto: Marcel Huijser
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Codorna-amarela

(Nothura maculosa)
Spotted Nothura

A Codorna-amarela vive solitária. Habita áreas abertas como campos naturais, lavouras e pastos. Alimenta-se de frutos caídos no chão, sementes, moluscos, insetos, e outros artrópodes. Anda em pastos ingerindo carrapatos e acompanha o gado para apanhar insetos que são espantados quando rebanho se movimenta. Nidifica no solo, onde escava uma depressão rasa, forrada com capim seco e penas. Põe de sete a oito ovos de cor chocolate.

Foto: Nortondefeis (Wikidata)
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Jacupemba

(Penelope superciliaris)
Rusty-margined Guan

A Jacupemba vive aos casais ou em pequenos grupos familiares. Habita capoeiras e bordas de áreas florestadas. Alimenta-se de frutos, flores, folhas e brotos. Também come insetos e, eventualmente, pequenos vertebrados, como pererecas. Constrói seu ninho no alto das árvores, com folhas e gravetos. Põe, em média, três ovos.

Foto: Renato Rizzaro
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Mutum-de-penacho

(Crax fasciolata)
Bare-faced Curassow

O Mutum-de-penacho vive aos casais ou em pequenos bandos. Habita o interior e a borda das florestas, mas transita com certa frequência em áreas abertas. Alimenta-se de brotos, frutos, insetos de vários tamanhos, moluscos e pequenos vertebrados. Nidifica no alto de árvores. Põe, em média, três ovos.

Foto: site Passarinhando
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Urubu-de-cabeça-vermelha

(Cathartes aura)
Turkey Vulture

O Urubu-de-cabeça-vermelha vive solitário ou em grupos. Habita áreas campestres e também florestais. Alimenta-se de animais mortos e, eventualmente, come frutos. Nidifica entre rochas ou no solo. O ninho é pouco ou nada elaborado. Geralmente, deposita o ovo diretamente no substrato. Põe dois ovos.

Foto: Adrian Eisen Rupp
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Urubu-de-cabeça-preta

(Coragyps atratus)
Black Vulture

O Urubu-de cabeça-preta vive em grupos. Habita áreas abertas e florestadas. Vive muito bem nas cidades e seus arredores, sendo frequente em lixões. Alimenta-se de carniça ou restos de alimento humano. Na natureza, nidifica no solo ou em árvores, geralmente em locais inacessíveis ao homem. Na cidade, seleciona edifícios altos. O ninho é pouco ou nada elaborado. Os filhotes possuem plumagem branca e são desengonçados.

Foto: Alena Hasková & Sdenek Hasek
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Urubu-rei

(Sarcoramphus papa)
King Vulture

O Urubu-rei geralmente, voa solitário ou aos casais. Habita desde ecosistemas campestres até áreas florestadas. Evita áreas urbanizadas e a presença humana. Alimenta-se de carcaças de animais mortos. Nidifica no alto de árvores frondosas, em paredões rochosos e buracos em escarpas. Põe de dois a três ovos brancos.

Foto: Junior Girotto
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Gavião-caboclo

(Heterospizias meridionalis)
Savanna Hawk

O Gavião-caboclo vive solitário ou aos casais. Haita áreas campestres naturais ou antropizadas, savanas, brejos e manguezais. É relativamente comum em pastos com algumas árvores. Aimenta-se de grandes insetos, répteis, anfíbios, roedores e outros mamíferos de pequeno porte. Constrói o ninho em arvoretas e arbustos, a poucos metros do chão. Na construção, utiliza gravetos e grossos. Geralmente, põe apenas um ovo.

Foto: Cristian Andrei
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Gavião- carijó

(Rupornis magnirostris)
Roadside Hawk

O Gavião-carijó vive solitário ou aos casais. Habita áreas abertas com árvores esparsas ou bordas de matas. Adapta-se facilmente à vida na cidade e outras áreas alteradas. Alimenta-se de insetos e pequenos vertebrados como aves, roedores, morcegos e largatos. Constrói o ninho no alto das árvores utilizndo gravetos grandes e grossos. Forra o ninho com folhas secas. Põe, em média, dois ovos.

Foto: Elton e Chris
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Gavião-de-rabo-branco

(Geranoaetus albicaudatus)
White-tailed Hawk

O Gavião-de-rabo-branco vive solitário ou aos casais. Habita áreas campestres com árvores esparsas. Pode adentrar em cidades. Alimenta-se de insetos, aves, roedores, sapos, lagartos e serpentes. Constrói o ninho no alto das árvores ou em rochas em meio á vegetação. Constrói o ninho no alto das árvores ou em rochas em meio à vegetação. Na construção, utiliza gravetos grandes e grossos. Põe até dois ovos. Frequentemente, apenas um filhote sobrevive.

Foto: Leandro Borges
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Águia-chilena

(Geranoaetus melanoleucus)
Black-chested Buzzard-Eagle

A Águia-chilena vive solitária ou aos casais. habita áreas campestres ou savânicas, especialmente em regiões montanhosas. Alimenta-se de insetos, aves, roedores, sapos, lagartos e serpentes. Constrói o ninho em paredões de rocha. Na construção, utiliza gravetos grandes e grossos no entorno e forra com material vegetal mais macio no centro do ninho. Pode pôr até dois ovos. Frequentemente, apenas um filhote sobrevive.

Foto: CulturaMix
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Saracura-três-potes

(Aramides cajaneus)
Gray-necked Wood-Rail

A Saracura-três-potes vive solitária ou aos casais. Habita brejos, manguezais ou matas próximas a corpos d´água. Eventualmente, pode ser encontrada em matas longe da água. Alimenta-se de brotos de plantas, sementes, frutos, insetos, crustáceos, pequenas serpentes e peixes. Constrói o ninho no chão, frequentemente sobre a vegetação aquática, às vezes rodeado por água. Na construção, utiliza gravetos, capim e folhas secas. Põe, em média, quatro ovos.

Foto: RPPN Sitio Manaca
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Quero-quero

(Vanellus chilensis)
Southern Lapwing

O Quero-quero vive aos casais. Habita áreas abertas como campos naturais, pastos, banhados, bancos de areia às margens de rios e lagos, ou praias. Pode, ainda, habitar praças, campos de futebol, e outras áreas abertas gramadas nas cidades. Alimenta-se de artrópodes e moluscos terrestres. Quando próximo de água, pode incluir na alimentação alguns peixes e larvas de insetos. Nidifica no chão, onde esgravata uma depressão rasa para abrigar os ovos. Pode ou não utilizar capim seco para forrar o ninho.Põe de três a quatro ovos.

Foto: Casa dos Pássaros Net
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Rolinha-roxa

(Columbina talpacoti)
Ruddy Ground-Dove

A Rolinha-roxa vive aos casais ou em agrupamentos temporários. Habita áreas abertas ou semiabertas (cafezais e laranjais). Adapta-se muito bem a vida na cidade, mesmo em grandes centros urbanos. Alimenta-se de grãos e quirera de milho, quando oferecida em comedouros. Constrói o ninho sobre árvores ou em calhas, telhados e fachadas de casas e prédios. Na construção, utiliza palha, ramos e gravetos. Põe, em média, dois ovos.

Foto: Wagner Machado
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Fogo-apagou

(Columbina squammata)
Scaled Dove

O Fogo-apagou vive em pequenos bandos ou aos casais. Habita campos secos, savanas e bordas de mata. Adapta-se bem aos parques, jardins, pomares e áreas rurais. Alimenta-se de grãos, frutos e pequenos invertebrados. Constrói o ninho em árvores e, às vezes, no chão. Na construção, utiliza gravetos, folhas e ramos secos. Põe, em média, dois ovos.

Foto: Pássaros Cantos
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Pombão

(Patagioenas picazuro)
Picazuro Pigeon

O Pombão vive aos casais ou em grandes grupos, os quais podem se tornar muito grandes de acordo com a disponibilidade de alimento. Prefere áreas semiabertas, savanas, matas galeria, bordas de florestas, além de ambientes alterados urbanos ou rurais. Alimenta-se de grãos e frutos. Constrói seu ninho sobre árvores. Utiliza gravetos pouco entrelaçados, sendo o ninho pouco elaborado, assim como os ninhos da maioria dos pombos e rolas. Põe um ou dois ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Anu-preto

(Crotophaga ani)
Smooth-billed Ani

O Anu-preto vive somente em grupos bem coesos. Habita áreas abertas com moitas de capim e vegetação baixa, pastos, jardins e parques. Alimenta-se de diversos artrópodes, como insetos e aracnídeos, e pode apanhar pequenos vertebrados como roedores, répteis, anfíbios e peixes, quado tem oportunidade de pescar em águas rasas. Também come frutos e sementes. Constrói ninhos inividuais ou coletivos, grandes e profundos, sobre árvores ou arbustos. Na construção, utiliza gravetos e folhas. Cada fêmea pode pôr de quatro a sete ovos. Um ninho coletivo contém, em média, vinte ovos.

Foto: SOS Mata Atlântica
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Anu- branco

(Guira guira)
Guira Cuckoo

O Anu-branco vive em grupos coesos. Habita áreas abertas com moitas de capim e vegetação baixa, pastos e lavouras. Pode adentrar áreas periféricas de cidades. Sua alimentação e outros hábitos são similares aos do seu parente, anu-preto (Crotophaga ani). Come insetos em maior proporção, principalmente quando há grande disponibilidade. Constrói ninhos coletivos, onde várias fêmeas depositam seus ovos. Gravetos, palha e folhas são materiais utilizados na construção. Cada fêmea pode pôr de quatro a sete ovos.

Foto: Cultura Mix
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Coruja-buraqueira

(Athene cunicularia)
Burrowing Owl

A Coruja-buraqueira vive aos casais ou em pequenos grupos familiares. Habita áreas campestres naturais ou não. É comum em pastos. Alimenta-se principalmente e insetos, mas também come pequenos roedores, morcegos, répteis e anfíbios. Constrói o ninho em um túnel escavado no chão. Forra o interior com capim seco e estrume. Põe de seis a onze ovos.

Foto: Marco Aurélio Tisi
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Bacurau-da-telha

(Hydropsalis longirostris)
Band-winged Nightjar

Vive solitário, aos casais ou em pequenos grupos. Habita áreas semiabertas, campos de altitude e campos rupestres. Pode se adaptar à vida na cidade. Alimenta-se de insetos. Nidifica no solo ou sobre a laje de casas e edifícios. Não constrói ninho. O ovo é posto diretamente no substrato. Põe dois ovos.

Foto: Arystene Nicodemo
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Taperuçu-de-coleira-branca

(Streptoprocne zonaris)
White-collored Swift

O Taperuçu-de-coleira-branca vive em bandos, os quais podem ser bastante numerosos, principalmente quando estão próximos das cachoeiras onde pernoitam e nidificam. Sobrevoa os campos durante o dia. Alimenta-se de insetos que apanha em voo. Nidifica em paredões rochosos e úmidos. Constrói o ninho com pedrinhas, musgos e fibra vegetal, unindo-os com barro e saliva. Põe, em média, dois ovos.

Foto: Gustavo Pinto
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Beija-flor-de-orelha-violeta

(Colibri serrirostris)
White- vented Violetear

O Beija-flor-de-orelha-violeta vive solitário ou aos casais. Habita áreas abertas em geral, campos cerrados, restingas e borda de matas pouco densas. Alimenta-se de néctar e insetos. Constrói um ninho pequeno, fortemente fixado em galhos finos de arbustos, a poucos metros do chão. Na construção, utiliza pequenos gravetos, fibras vegetais, paina e teias de aranha. Às vezes, cobre o ninho com liquens para camuflá-lo. Põe até dois ovos.

Foto: Lindolfo Souto
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Topetinho-vermelho

(Lophornis magnificus)
Frilled Coquette

O Topetinho-vermelho vive aos casais. Habita capoeiras, campos, savanas e jardins floridos. Alimenta-se de néctar e de pequenos insetos que captura no ar. Pouco se sabe sobre seus hábitos reprodutivos.

Foto: Daniel De Granville
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Besourinho-de-bico-vermelho

(Chlorostilbon lucidus)
Glittering-bellied Emerald

O Besourinho-de-bico-vermelho vive solitário ou aos casais. Habita áreas com vegetação pouco densa, matas secundárias e capoeiras. Na cidade, habita praças, parques e jardins. Alimenta-se de néctar, de minúsculos insetos que captura no ar e, eventualmente, de pequenas aranhas. Nidifica sobre galhos finos de arbustos. Exibe uma predileção por sombra de barrancos para nidificar. Na construção do ninho, utiliza fibras vegetal, fragmentos de folhas, paina, musgos e liquens. Teias de aranhas são utilizadas para amarrar o material e fixar o ninho.
Põe até dois ovos.

Foto: Luciano Marra
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Estrelinha-ametista

(Calliphlox amethystina)
Amethyst Woodstar

A Estrelinha-ametista vive solitária. Habita áreas semiabertas, savanas, bordas de matas, florestas e jardins. Alimenta-se de néctar e pequenos insetos. Contrói seu ninho sobre galhos de árvores. Na construção, utiliza fibra vegetal, musgos, liquens, paina e teias de aranha para fixação do ninho. Põe até dois ovos.

Foto: Leonardo Merçon
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra - ICMBio.

Martim Pescador Grande

(Megaceryle torquata)
Ringed Kingfisher

O Martim Pescador Grande vive solitário ou aos casais. Habita ambientes aquáticos, como rios, lagos, represas e estuários, que possuam vegetação arbórea próxima da água. Alimenta-se principalmente de peixes, mas pode ingerir insetos, pequenos répteis e caranguejos. Nidifica em buracos de rochas ou escavados em barrancos. Põe de dois a seis ovos.

Foto: Dario Sanches
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

João Bobo

(Nystalus chacuru)
White-eared Puffbird

O João Bobo vive aos casais ou pequenos grupos familiares durante certo período. Habita cerrado savânico, campos com árvores esparsas, zonas rurais, capoeiras, parques e margens de estradas, onde pousa sobre mourões, cercas e fios elétricos. Alimenta-se de artrópodes, minhocas, pequenos roedores e anfíbios. Nidifica em buracos profundos escavados no chão ou em barrancos. Põe de dois a quatro ovos.

Foto: Evandro F. Lopes
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Tucanuçu

(Ramphastos toco)
Toco Toucan

Tucanuçu vive aos pares ou em pequenos grupos. Pode viver em matas e florestas, mas prefere áreas abertas ou savânicas. Também habita em ambientes alterados rurais ou urbanizados. Alimenta-se de frutos, insetos, aves (ovos e filhotes) e pequenos animais, como roedores. Constrói o ninho em buracos de árvores, barrancos e cupinzeiros. Põe até quatro ovos.

Foto: Afonso de Bragança
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Pica-pau-do-campo

(Colaptes campestris)
Campo Flicker

Pica-pau-do-campo vive em pequenos grupos ou aos casais. Habita áreas campestres, naturais ou não. São frequentes em pastos e gramados. Alimenta-se de artrópedes, especialmente de cupins. Nidifica em buracos escavados em árvores, barrancos e cupinzeiros. Põe de quatro a cinco ovos.

Foto: Edgard Thomas
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Pica-pau-de-banda-branca

(Dryocopus lineatus)
Lineated Woodpecker

Pica-pau-de-banda-branca vive solitário ou aos casais. Habita o cerrado, capoeiras, áreas florestadas e zonas rurais, desde que tenham muitas árvores à disposição. Alimenta-se de larvas e insetos adultos, frutos e sementes. Nidifica em buracos que escava no tronco de árvores. Põe de dois a três ovos.

Foto: Rudimar Narciso Cipriani
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Seriema

(Cariama cristata)
Red-legged Seriema

A seriema vive solitária, aos casais ou em pequenos bandos. Habita áreas campestres naturais ou alteradas, como pastagens e plantações. É comum no cerrado. Alimenta-se de insetos e outros artrópodes, répteis, anfíbios e pequenos roedores. Constrói o ninho sobre árvores. Utiliza gravetos, folhas secas, barro e, eventualmente, estrume de gado. Põe, em média, dois ovos.

Foto: Wikipedia
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Caracará

(Caracara plancus)
Southern Caracara

Vive solitário ou aos casais. Pode formar bandos enormes quando há grande disponibilidade de alimento, como, por exemplo, após a aragem da terra em monoculturas, áreas recém-queimadas e até em aterros sanitários. É bastante comum em boa parte do Brasil. Vive preferencialmente em áreas abertas com árvores esparsas e também habita cidades. É oportunista quanto à alimentação, pode ingerir desde minhocas, insetos, aranhas até vertebrados, peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. Constrói o ninho com gravetos grandes e grossos no alto das árvores. Põe, em média, dois ovos.

Foto: Wikipedia
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Carrapateiro

(Milvago chimachima)
Yellow-headed Caracara

O carrapateiro vive solitário ou aos casais. Habita preferencialmente áreas campestres com árvores esparsas. É muito comum onde há gado. Alimenta-se de carrapatos, insetos, animais mortos, pássaros, pequenas serpentes e, eventualmente, até frutos. Também pode pescar ou aproveita descarte de peixes por pescadores. Constrói o ninho sobre árvores. Utilliza pequenos ramos secos e finos. Põe de cinco a sete ovos.

Foto: Livio Soares de Medeiros
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Quiriquiri

(Falco sparverius)
American Kestrel

O quiriquiri vive solitário ou aos casais. Habita ambientes campestres, cidades e áreas semiurbanizadas. Evita florestas. Alimenta-se de insetos, pequenos roedores, répteis, aves e, ocasionalmente, tenta capturar morcegos ao final da tarde. Nidifica em ocos de árvores, cavidades em paredões e cupinzeiros, ou até mesmo em buracos de postes. Põe, em média, quatro ovos.

Foto: Edgard Thomas
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Periquitão-maracanã

(Psittacara leucophthalmus)
White-eyed Parakeet

O piriquitão-maracanã vive aos casais ou em bandos formados por casais. Habita áreas florestadas e savanas densas. Adapta-se muito bem à vida em ambiente urbano. Alimenta-se de sementes, brotos, flores, folhas e frutos. Eventualmente, ingere cupins e aleluias. Nidifica em ocos de árvores e cupinzeiros, paredões de pedra e sob o telhado de casas e prédios. Não coleta material para construir o ninho, os ovos são postos diretamente sobre o substrato. Põe de dois a três ovos.

Foto: J.C. Zinn
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Jandaia-de-testa-vermelha

(Aratinga auricapillus)
Golden-capped Parakeet

A jandaia-da-testa-vermelha vive em bandos compostos por casais bastante unidos. Habita áreas florestadas e podem frenquentar as cidades. Alimenta-se de sementes e frutos. Nidifica em ocos de árvores, paredões de pedra e, eventualmente, sob o telhado de casas e prédios. Não coleta material para construção do ninho. Põe de três a quatro ovos.

Foto: Fernando Farias
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Periquito-rei

(Eupsittula aurea)
Peach-fronted Parakeet

O periquito-rei vive aos casais e formam bandos. Habita várias fitofisionomias do Cerrado, matas, bordas de florestas e manguezais. Também vive em ambientes urbanizados e áreas rurais. Alimenta-se de flores, sementes e frutos. Pode preferir a semente ao invés da polpa do fruto. Vai ao solo para ingerir a sementes de plantas rasteiras do Cerrado e, eventualmente, ingere cupins e aleluias. Nidifica em buracos na rocha, ocos de árvores, cupinzeiros e barrancos. Pode ainda utilizar o ninho abandonado do pássaro joão de barro. Põe, em média, três ovos.

Foto: Claudio Marcio
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Tiriba-de-testa-vermelha

(Pyrrhura frontalis)
Maroon-bellied Parakeet

Tiriba-de-testa-vermelha vive em pequenos bandos bastantes coesos, sempre aos casais. Habita áreas florestadas e pomares. São pouco comuns dentro da cidade. Alimenta-se de frutos e sementes. Nidifica em ocos de árvores. Eventualmente, nidifica sob telhados de edificações humanas ou aproveita ninhos de joão-de-barro. Não coleta material para elaboração do ninho. Pões de cinco a oito ovos.

Foto: Leonardo Sanches
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Choca-barrada

(Thamnophilus doliatus)
Barred Antshrike

Choca-barrada vive aos casais. Habita savanas, mata rala, borda de mata galeria e matas de várzea. Pode viver em parque, praças e bairros bem arborizados. Alimenta-se de insetos e outros invertebrados. Eventualmente, come frutos. Constrói o ninho com formato de cesto em arbustos ou árvores, amarrando a bifurcação de galho. Utiliza folhas secas e ramos finos. Põe dois ovos.

Foto: Fernando Farias
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Tapaculo-de-colarinho

(Melanopareia torquata)
Collared Crescentchest

Vive solitário ou aos casais. Habita o cerrado, principalmente fitofisionomias como o “campo cerrado”, com vegetação um pouco mais densa. É pouco frequente em campos muito abertos. Alimenta-se de artrópodes, como insetos. Constrói seu ninho em moitas de capim, próximo do solo. Na construção, utiliza folha de gramíneas. Às vezes, amontoa folhas de árvores embaixo do ninho. Põe dois ovos.

Foto: Geremias Pignaton
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Andarilho

(Geositta poeciloptera)
Campo Miner

Vive aos casais. Habita áreas campestres, permanecendo a maior parte do tempo no solo. Por isso, é considerado um pássaro semi-terrícola. Evita ambientes modificados pelo homem. Alimenta-se de artrópodes e sementes. Nidifica em buracos no solo ou em barrancos. Frequentemente, utiliza buracos abandonados por tatus ou outros animais. Forra o interior do ninho com campim e folhas secas. Põe, em média, três ovos.

Foto: Claudio Timm
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Arapaçu-de-cerrado

(Lepidocolaptes angustirostris)
Narrow-billed Woodcreeper

Vive solitário ou aos casais. Habita várias fitofisionomias do cerrado, desde áreas abertas com árvores esparsas até matas galeria. Alimenta-se preferencialmente de insetos e aranhas, mas também preda pequenos répteis e anfíbios. Nidifica em oco de árvores abandonados por pica-paus, pois seu bico em formato de um pinça curva não é robusto o suficiente para escavar troncos rigidos, somente madeira em decomposição. Forra o interior do ninho com cascas e folhas de árvores. Põe dois ovos.

Foto: Gustavo Castaing

Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

João-de-barro

(Furnarius rufus)
Rufous Hornero

Vive aos casais. Habita áreas abertas com árvores esparsas. Adapta-se facilmente à vida na cidade. Sua alimentação é constituída principalmente de artrópodes e minhocas. Eventualmente, ingere restos de comida humana, Constrói o ninho sobre árvores, postes ou mourões de cerca. Na construção, utiliza material vegetal seco (palha), barro úmido e esterco. Põe até quatro ovos.

Foto: Portal das Missões
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Cochicho

(Anumbius annumbi)
Firewood-Gatherer

Vive aos casais. Habita ambientes abertos, como pastagens e campos sujos, ambientes semi-abertos, campos cerrados e matas secas. Alimenta-se de artrópodes. Constrói um ninho grande em árvores e arbustos isolados, postes, ou ainda em mourões e cercas de arame. Na construção, utiliza gravetos resistentes e forra o interior com materiais macios, como capim e paina. Pode utilizar pele de serpente e materiais industrializados, como plásticos. Põe, em média, cinco ovos.

Foto: Anabela Silveira de Oliveira
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

João-teneném

(Synallaxis Spixi)
Spix’s Spinetail

Vive aos casais. Habita a vegetação adensada na borda de matas, no cerrado, em capoeiras ou em lavouras de café e cítrico. Alimenta-se de invertebrados como insetos e outros artrópodes. Constrói um ninho grande e fechado sobre arbustos, geralmente no interior de moitas de vegetação densa e ramagens. Na construção, utiliza principalmente de gravetos, muitos deles cheios de espinhos. Pode colocar peles de cobras e/ou lagartos na parte externa no ninho. O interior é forrado com cascas de ávores, paina e folha. Põe até três ovos.

Foto: Cláudio Márcio

Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Soldadinho

(Antilophia galeota)
Helmeted Manakin

Vive solitário ou aos casais. Habita campões de mata, matas galeria e matas paludosas, sempre próximos de algum curso d’agua. Alimenta-se de insetos, e principalmente, de pequenos frutos. Constrói o seu ninho no alto de árvores. Na construção, utiliza ramos finos, folhas, micélios de fungos e teias de aranha. Põe até três ovos.

Foto: Alessandro Abdala
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Ferreirinho-relógio

(Todirostrum cinereum)
Common Tody-Flycatcher

Vive aos casais. Habita capoeiras e bordas de matas. Na cidade, se estabelece em parques, praças, quintais e jardins bem arborizados. Alimenta-se insetos e outros invertebrados. Constrói o ninho em árvores, fechado e fortemente amarrados na ponta de galhos ou ramos finos. Na construção, utiliza gravetos, folhas e paina. A paina é utilizada principalmente no interior do ninho, onde os ovos são depositados. Põe de dois a três ovos.

Foto: Victor Hugo
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Gibão-de-couro

(Hirundinea ferruginea)
Cliff Flycatcher

Vive solitário, aos casais ou em pequenos grupos. Habita formações rochosas como paredões e escarpas. Adaptou-se a viver em zona rural e em meio a edifícios e casas na zona urbana. Alimenta-se de insetos que captura no ar. Constrói seu ninho sobre rochas, lajes, ou sobre o beiral de janelas. Na construão, utiliza pequenas rochas na base para dar suporte ao ninho, e sobre elas assenta gravetos e material fibroso misturado à saliva. Eventualmente, fixa musgos no entorno do ninho. Põe de dois a três ovos.

Foto: Vera Medeiros

Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Papa-moscas-do-campo

(Culicivora caudacuta)

Sharp-tailed Tyrant

O Papa-moscas-do-campo vive aos casais ou em grupos. Habita o cerrado, principalmente o campo limpo e o campo sujo. Não tolera ambientes modificados pelo homem. Alimenta-se de insetos. Constrói seu ninho sobre arbustos a pouca altura do solo. Utiliza bastante paina na construção. Põe de dois a três ovos.

Foto: Geremias Pignaton
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Papa-moscas-de-costas-cinzentas

(Polystictus superciliaris)

Gray-backed Tachuri

O Papa-moscas-de-costas-cinzentas vive aos casais. Habita campos rupestres e campos de altitude. Não tolera ambientes modificados pelas atividades humanas. Alimenta-se de artrópodes, como insetos em geral. Constrói o ninho sobre arbustos, próximo ao solo. Na construção, utiliza material fibroso de origem vegetal. Põe até dois ovos.

Foto: Fábio Rage
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

João-pobre

(Serpophaga nigricans)

Sooty Tyrannulet

O João-pobre vive solitário ou aos casais. Habita as margens de lagos, represas, rios e corredeiras. Alimenta-se de insetos e outros artrópodes, como aranhas. Constrói o ninho nas margens do corpo d´água que habita, sobre arbustos e árvores. Na construção, utiliza raízes, folhas, musgos e penas para a forração do ninho. Põe, em média, dois ovos.

Foto: Zigmar Riedtmann

Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Bem-te-vi

(Pitangus sulphuratus)

Great Kiskadee

O Bem-te-vi vive solitário ou aos casais. Habita quaisquer ambientes, mas evita áreas densamente florestadas ou completamente abertas e sem árvores. Adapta-se facilmente à vida da cidade. Alimenta-se de frutos, flores, invertebrados, peixes, roedores, anfíbios, lagartixas, restos de comida humana ou ainda, ração de cachorro. Constrói o ninho em árvores fechadas ou em cavidades naturais. Na cidade, é frequente os encontrar nidificando em transformadores de energia. Na construção, utilia principalmente capim. Põe, em média, três ovos.

Foto: Dario Sanches
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Neinei

(Megarynchus pitangua)

Boat-billed Flycatcher

O Neinei vive solitário ou aos casais. Habita a copa de matas e capoeiras. Alimenta-se de frutos, insetos e outros artrópodes. Pode capturar pequenos lagartos, filhotes de aves ou ainda pescar. Constrói o ninho no alto das árvores. Na construção, utiliza gravetos e capim. Põe de dois a quatro ovos.

Foto: Dario Sanches
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Suiriri-de-garganta-branca

(Tyrannus albogularis)

White-throated Kingbird

O Suiriri-de-garganta-branca vive solitário ou aos casais. Habita áreas semiabertas, bordas de matas e capoeiras. Frequeta parques, praças, jardins arborizados. Alimenta-se e frutos, insetos e outros artrópodes. Constrói seu ninho sobre árvores com ramos e gravetos. Pouco se sabe sobre a postura de ovos.

Foto: Rosa Gamboias
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Bentevizinho-de-penacho-vermelho

(Myiozetetes similis)

Social Flycatcher

Vive aos casais, ou em pequenos grupos. Habita capoeiras, bordas de matas, parques, jardins e praças bem arborizadas. Prefere se estabelecer próximo a corpos d’água. Alimenta-se de insetos e frutos. Constrói seu ninho sobre árvores e arbustos próximos da água. Põe de dois a três ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Tesourinha

(Tyrannus savana)

Fork-tailed Flycatcher

Vive aos casais ou em pequenos grupos. Habita áreas abertas com árvores esparsas. Pode ser encontrada nas cidades, em bairros bem arborizados e praças. Alimenta-se de frutos,  insetos e outros artrópodes. Constrói seu ninho sobre árvores com gravetos, raízes e capim. Eventualmente, utiliza paina. Põe de um a quatro ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Galito

(Alectrurus tricolor)

Cock-tailed Tyrant

Vive solitário ou aos casais. Habita o cerrado, especialmente os ambientes campestres bem preservados. Não se adapta a áreas alteradas pela ação humana. Alimenta-se de artrópodes como insetos, aranhas e centopéias. Constrói o ninho no solo em meio às gramídeas e outras plantas herbáceas. Na construção, utiliza folhas de capim seco. Põe de dois a três ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Maria-preto-de-penacho

(Knipolegus lophotes)

Crested Black-Tyrant

Vive solitária ou aos casais. Habita ambientes campestres e savânicos. Alimenta-se principalmente de insetos, mas pode ingerir frutas eventualmente. Constrói o ninho em barrancos, ás vezes no interior de cavidades, ou em ambientes não naturais, como lajes. Na construção, utiliza ramos vegetais flexíveis, folhas de capim, raízes e musgos. Põe até três ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Suiriri-pequeno

(Satropa icterophrys)

Yellow-browed Tyrant

Vive solitário ou aos casais. Habita áreas semiabertas e bordas de matas. Alimenta-se de insetos. Pode ingerir até mesmo lagartas de borboletas com pelos urticantes. Constrói seu ninho em forma de taça a pouca altura do solo, sobre arbustos e árvores. Na contrução, utiliza ramos e gravetos maleáveis e forra o ninho com penas, musgos e/ou crina de cavalo, quando esses materiais estão disponíveis no ambiente. Põe de um a quatro ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Primavera

(Xolmis cireneus)

Gray Monjita

Vive solitária ou aos casais. Habita áreas campestres. Alimenta-se, sobretudo, de artrópodes, mas pode capturar pequenos peixes, anfíbios e répteis. Visita áreas recém-queimadas para se alimentar. Constrói o ninho em árvores ou até em postes. Utiliza gravetos e material vegetal maleável. Põe de três a quatro ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Noivinha-branca

(Xolmis velatus)

White-rumped Monjita

Vive solitária ou aos casais em áreas campestres. Pode adentrar em algumas cidades. Alimenta-se principalmente  de insetos e outros artrópodes. Também ingere frutos. Constrói o ninho sobre galhos de árvores e arbustos, ou em cavidades naturais como ocos de árvores. Na construção, utiliza gravetos, fibras vegetal e penas para forrar o interior do ninho. Pode utilizar ninhos abandonados do joão-de-barro ou cochicho para reprodução. Põe até quatro ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Gralha-picaça

(Cyanocorax chrysops)

Plush-crested Jay

Vive aos grupos. Habita preferencialmente áreas florestadas e pode surpreender com sua presença ao visitar parques e praças arborizadas. Alimenta-se de frutos, insetos e, por vezes, de ovos de outras aves. Constrói um ninho ralo com gravetos na copa de árvores. Põe, em média, três ovos, mas já foram documentadas ninhadas com até sete ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Andorinha-morena

(Alopochelidon fucata)

Tawny-headed Swallow

Vive aos casais ou em grupos. Habita áreas campestres. Alimenta-se de insetos que captura em voo. Constrói o ninho no interior de cavidades naturais, em paredões e barrancos. Reveste a cavidade com capim e penas. Põe de dois a três ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Andorinha-serradora

(Stelgidopterix ruficollis)

Southern Rough-winged Swallow

Vive em grupos. Habita áreas abertas ou semi-abertas, podendo adentrar em cidades. Alimenta-se exclusivamente de insetos. Constrói o ninho em cavidades, geralmente em barrancos próximos a corpos d’água. Consegue escavar seu túnel no barranco, mas ocasionalmente utiliza cavidades, abandonadas por outras aves. Forra o interior do túnel com folhas, capim e penas. Põe de três a seis ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Corruíra

(Troglodytes musculus)

Southern HouseWren

Vive solitária ou aos casais. Habita ambientes abertos e semiabertos. Na cidade, vive em parques, jardins e praças. Alimenta-se de insetos, aranhas e pequenas lagartixas. Constrói o ninho em cavidades naturais, como ocos em árvores, ou artifíciais, como buracos em paredes ou muros, e até em locais inusitados, como sapatos, caixas, canos, objetos abandonados; basta que tenha uma entrada pequena e uma cavidade escura. Na construção, utiliza raízes, capim, folhas, penas e pelos. Frequentemente, utiliza materiais de origem antrópica, como plástico, metal, e tecido. Põe de três a seis ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Corruíra-do-campo

(Cistothorus platensis)

Sedge Wren

Vive solitária ou aos casais. Habita áreas campestres, especialmente aquelas sazonalmente úmidas ou palustres. Alimenta-se de sementes, insetos e outros artrópodes. Constrói o ninho esférico, muito próximo ao solo, preso ao capim. Na construção, utiliza capim seco. Põe de quatro a seis ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Sabiá-do-barranco

(Turdus leucomelas)

Pale-breasted Thrush

Vive solitário ou aos casais. Habita ambientes florestados ou semi-florestados, como matas galeria, cerradões, bosques, parques arborizados, pomares e plantações de café e cítricos. Alimenta-se de frutos, sementes, minhocas, insetos e outros artrópodes. Constrói o ninho sobre a forquilha de galhos grossos, barrancos, alpendres e beiral de telhados. Na construção, assim como o sabiá-laranjeira, utiliza barro, raízes e folhas. Na parte externa, pode assentar musgos, liquens ou folhas verdes. Põe de dois a quatro ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Sabiá-laranjeira

(Turdus rufiventris)

Rufous-bellied Thrush

Vive solitário ou aos casais. Habita bordas de matas, bosques, parques, praças e jardins arborizados. Adapta-se bem à vida na cidade. Alimenta-se de frutos, minhocas, insetos e outros artrópodes. Constrói o ninho sobre árvores, geralmente sobre a forquilha de galhos grossos, ou sobre a beiral de telhados. Na construção, utiliza barro, folhas secas e raízes. As vezes, usa musgo e até matériais de origem antrópica. Põe de três a quatro ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Sabiá-do-campo

(Mimus saturninus)

Chalk-browed Mockingbird

Vive aos casais ou, mais frequentemente, em grupos. Habita áreas abertas e semiabertas. Adapta-se à vida na cidade, frenquentando terrenos baldios, jardins, praças e parques arborizados. Alimenta-se de frutos, insetos, aranhas e outros artrópodes. Às vezes, prendam ninhos de outras aves. Constrói o ninho sobre a copa das árvores ou em meio a arbusto com folhagem densa. Com frequência, o instala sobre ninhos abandonados de outras aves. Na construção, utiliza gravetos grossos e materiais mais finos e maleáveis para forrar o interior. Põe de três a quatro ovos.

Foto:
Texto: Guia de bolso 100 aves do Parque Nacional da Serra da Canastra – ICMBio.

Pousada Barcelos ltda - São Roque de Minas - MG - 37 3433 1216 / 37 988 480 014 - pousada@barcelos.tur.br